Fomento Paraná disponibiliza mais R$ 23 milhões para financiar empresas do setor de turismo

Destaques Politica

Recursos do Fungetur podem ser contratados para projetos de investimento, compra de equipamentos e capital de giro, para micro e pequenas empresas de todo o Estado. São recursos com baixas taxas de juros e prazos de carência altos.

A Fomento Paraná recebeu um novo aporte de R$ 23,3 milhões do Fungetur — Fundo Geral do Turismo para financiar projetos de empreendimentos ligados ao setor. A linha de crédito Fomento Turismo pode ser usada para projetos de investimento, compra de equipamentos e capital de giro, para micro e pequenas empresas de todas as regiões do Estado.

Desde 2020, quando a instituição foi credenciada para atuar como agente financeiro do Fungetur, foram contratadas 440 operações pela linha Fomento Turismo, que envolvem um total de R$ 48,2 milhões em crédito.

“O Paraná possui alguns dos destinos mais procurados do País, como as Cataratas do Iguaçu, e conta com diversas regiões com potencial turístico relevante, com geografia e belas paisagens, roteiros gastronômicos, de turismo religioso, regionais e do agronegócio. E o Governo do Paraná quer estimular o aproveitamento desse potencial, pela facilidade e custos baixos do setor para criação de novos empregos e de renda”, explica Heraldo Neves, diretor-presidente da Fomento Paraná.

Ainda de acordo com o diretor, como parte da diretriz do governador Carlos Massa Ratinho Junior, o objetivo agora é aplicar os recursos na retomada das atividades econômicas, com colocação em pequenos negócios de comércio e de serviços turísticos.

Essa linha foi o principal mecanismo utilizado pela Fomento Paraná ao longo da pandemia de Covid-19 para contribuir na manutenção de centenas de empreendimentos ligados ao trade turístico, um dos mais afetados com o distanciamento social.

Além do crédito, a instituição também colocou à disposição das empresas o Fundo de Aval Garantidor das Micro e Pequenas Empresas do Estado do Paraná (FAG/PR) como alternativa de garantia para os financiamentos. O FAG avalizou a contratação de R$ 39,4 milhões em 341 operações de crédito contratadas pela Fomento Paraná e pelo BRDE.

O empresário Luiz Fernando Menuci, presidente da Abrasel Paraná, entidade parceira da Fomento Paraná e que congrega bares e restaurantes, confirma que a linha de crédito foi de extrema importância para o segmento de alimentação fora do lar durante a pandemia.

“São recursos com baixas taxas de juros e prazos de carência, que não encontramos nos bancos comerciais, o que facilitou a sobrevivência de muitas empresas do setor. Agora, no pós-pandemia, esse dinheiro pode ser usado para novos investimentos, que geram muitos empregos, o que é uma característica desse setor”, afirma Menuci.

POTENCIAL TURÍSTICO – O governador Carlos Massa Ratinho Junior tem afirmado que o Governo do Estado vai investir de forma planejada no turismo para transformar o setor em uma das principais matrizes econômicas do Paraná. “O turismo é uma indústria que tem capacidade de gerar muitos empregos no setor de comércio e de serviços”, defende o secretário estadual do Turismo, Márcio Nunes.

O Paraná é um estado com diversos atrativos e regiões turísticas, como o Litoral, de Guaratuba a Guaraqueçaba, passando pela Ilha do Mel. Os lagos das represas do Rio Paranapanema (Chavantes e Capivara) e do curso do Rio Iguaçu são usados para o turismo de pesca esportiva.

Na Costa Oeste, de São Pedro do Paraná a Foz do Iguaçu, há belas praias do Rio Paraná e do Lago de Itaipu. No Centro do Estado existem muitas cachoeiras nos municípios dos Campos Gerais. E diversas cidades contam com festas tradicionais e roteiros de turismo religioso e também gastronômico.

COMO CONTRATAR – Para contratar financiamentos da linha Fomento Turismo os empreendedores e empreendedoras podem se dirigir à Fomento Paraná em Curitiba (Rua Comendador Araújo, 652) ou contratar online pelo portal www.fomento.pr.gov.br.

Nos municípios do Interior do Estado é possível solicitar atendimento por meio dos correspondentes da Rede de Parceiros da instituição nas associações comerciais e empresariais, além de diversas sociedades empresariais especializadas. O empreendimento precisa estar cadastrado no Cadastur.

De acordo com o Ministério do Turismo, está aberto o prazo para os gestores municipais renovarem os cadastros de seus municípios no novo Mapa do Turismo Brasileiro, e que devem orientar os prestadores de serviços turísticos a se inserir no Cadastur para que possam ampliar a potencialidade do turismo no Brasil, com políticas públicas e crédito para fomentar a atividade nas cidades.

Fonte.: AEN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *