Eleições nos EUA: resultados da Superterça deixam Trump e Biden muito perto de confirmar candidaturas

Destaques Eleições

Os resultados da Superterça, divulgados entre a noite de terça-feira (5) e a manhã desta quarta (6),deixaram o presidente Joe Biden (Partido Democrata) e o ex-presidente Donald Trump (Partido Republicano) muito perto de confirmar as respectivas candidaturas à Presidência dos Estados Unidos nas eleições de novembro.

Ambos venceram a grande maioria das prévias dos seus partidos, segundo projeções da Associated Press —e já anteciparam a campanha trocando acusações (veja mais abaixo).

Nos Estados Unidos, os pré-candidatos de cada partido disputam primárias em cada estado e território do país, elegendo um certo número de delegados (representantes) em cada um deles. Quem tiver o maior número de delegados ao final do processo se torna o candidato do partido à Presidência.

A Superterça ganhou esse nome justamente pelo grande número de votação num mesmo dia.

Historicamente, o dia costuma ser decisivo tanto para o Partido Republicano quando para o Democrata —mas importa mais a sigla que está na oposição: desta vez, os republicanos.

 Biden e Trump varreram os Estados Unidos de costa a costa e praticamente asseguraram a reedição da disputa de 2020, vencida pelo democrata. A confirmação se dará provavelmente nas próximas duas semanas, quando ambos alcançarão o número de delegados mínimo para as respectivas indicações.

Da parte do Partido Republicano, as chances de que Trump seja o candidato aumentaram ainda mais na manhã desta quarta, quando fontes da campanha da única rival do ex-presidente dos EUA na sigla, Nikki Haley, disseram a veículos de imprensa norte-americana que ela vai desistir da corrida eleitoral.

Até a última atualização desta reportagem, o placar atualizado, baseado em projeções da Associated Press, mostrava:

Partido Republicano

  • Donald Trump: vitória em 14 dos 15 estados (Alabama, Alasca, Arkansas, Califórnia, Colorado, Maine, Massachusetts, Minnesota, Carolina do Norte, Oklahoma, Tennessee, Texas, Utah e Virgínia)
  • Nikki Haley: vitória em um estado (Vermont)

Partido Democrata

  • Joe Biden: vitória em 15 dos 16 estados (Alabama, Arkansas, Califórnia, Colorado, Maine, Massachusetts, Minnesota, Oklahoma, Tennessee, Texas, Utah, Virgínia, Vermont, Carolina do Norte e Iowa)
  • Jason Palmer, um candidato nanico, venceu na Samoa Americana

Trump venceu outros estados que poderiam ter sido favoráveis a Haley, como Virgínia e Maine, que têm grande número de eleitores moderados, em tese mais simpáticos a ela.

A vitória de Trump nas primárias eleva a pressão para que Haley deixe a corrida presidencial. Ela se disse “honrada” por ter sido a primeira mulher republicana a ter vencido algum estado em primárias presidenciais. Aliados dela apontam que o fim de sua campanha pode estar próximo, segundo a Associated Press. Haley assistiu às primárias da Superterça perto da sua casa, na Carolina da Sul.

Já Biden não enfrentou adversários —as únicas oposições foram votos de protesto em Minnesota, de eleitores democratas insatisfeitos com o apoio de Biden a Israel na guerra com o Hamas em Gaza, e a vitória do nanico Jason Palmer na Samoa Americana.

No início desta quarta, Trump e Biden trocaram acusações. Em discurso em Mar-a-Lago, na Flórida, Trump chamou Biden de “pior presidente da história”. Biden disse que uma eventual volta de Trump à Casa Branca seria um retrocesso.

Eleitora vota na Superterça, em Orange County, na Califórnia, nesta terça-feira (5) — Foto: David Swanson/Reuters

Eleitora vota na Superterça, em Orange County, na Califórnia, nesta terça-feira (5) — Foto: David Swanson/Reuters

E agora: quando Biden e Trump serão confirmados?

Apesar das vitórias contundentes, nem Trump nem Biden terminam esta Superterça como indicados dos seus partidos. A expectativa é que Trump consiga a indicação dos 1.215 delegados nas primárias de 12 de março, já na semana que vem.

Com Biden, o número mágico de 1.968 indicados deve ser alcançado nas primárias de 19 de março.

Previsível

Os resultados das primárias antes da Superterça já apontavam um favoritismo fora da curva de Trump e de Biden, diferentemente de outras Superterças com disputas acirradas.

A votação da Superterça já foi decisiva, por exemplo, para o ex-presidente Barack Obama na disputa com Hillary Clinton em 2008 e para Donald Trump na corrida pré-eleitoral em 2016. Os dois acabaram vencendo as eleições nesses anos. Foi acirrada também em 2012, entre os republicanos, e em 2020, para os democratas.

O analista político Sam Logan, fundador da consultoria de Washington Southern Pulse, projetou ao g1 que a Superterça deste ano seria a menos importante das duas últimas décadas.

Fonte – G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *